O Escotismo

É verdadeiramente no grupo escoteiro que o Escotismo acontece. Os jovens são divididos conforme sua faixa etária para que o Programa Educativo possa ser trabalhado em todas as áreas de desenvolvimento (físico, intelectual, social, afetivo, espiritual e de caráter) com base nas características individuais de cada fase.

O Programa Educativo ainda se preocupa em estar inserido no cotidiano dos jovens, de acordo com suas necessidades de crescimento e do meio onde os jovens se desenvolvem, se adaptando a diferentes realidades e respeitando sua autonomia.

Apartidário, o Movimento Escoteiro valoriza a participação juvenil em esferas políticas, participando de processos de decisão em Conselhos, Conferências e demais grupos de trabalho.

O apoio político não leva em conta partidos, mas o compromisso do parlamentar que se une à União Parlamentar Escoteira do Brasil de atuar de acordo com os princípios e propostas do Escotismo.

Definição

O Escotismo é um movimento educacional de jovens, sem vínculo a partidos políticos, voluntário, que conta com a colaboração de adultos, e valoriza a participação de pessoas de todas as origens sociais, etnias e credos, de acordo com seu Propósito, seus Princípios e o Método Escoteiro, concebidos pelo Fundador Baden-Powell e adotados pela União dos Escoteiros do Brasil.

Propósito

O propósito do Movimento Escoteiro é contribuir para que os jovens assumam seu próprio desenvolvimento, especialmente do caráter, ajudando-os a realizar suas plenas potencialidades físicas, intelectuais, sociais, afetivas e espirituais, como cidadãos responsáveis, participantes e úteis em suas comunidades, conforme definido pelo seu Projeto Educativo.

Princípios

1. Dever para com Deus. (crença e vivência de uma fé, independentemente de qual seja);

Convidamos os jovens a ir além do mundo material, a orientar suas vidas por princípios espirituais e a seguir caminhando em busca de Deus, presente na experiência de todos os dias, na criação, no próximo, na história. Além disso, nós os convidamos a viver sua fé com alegria, sem nenhuma hostilidade para com aqueles que buscam, encontram ou vivem respostas diferentes diante de Deus, abrindo-se ao interesse, à compreensão e ao diálogo com todas as opções religiosas.

2. Dever para com o próximo. (participação na sociedade, boa ação, serviço ao próximo);

Propomos aos jovens respeitar com carinho o mundo natural, comprometer-se com o desenvolvimento sustentável e participar ativamente dos esforços para sua preservação e renovação. Entendemos que o ser humano só se realiza plenamente quando exerce sua liberdade respeitando a do próximo. Propomos aos jovens que busquem sua realização por meio do serviço ao próximo e que se integrem de maneira responsável e solidária à sua comunidade. No plano das relações pessoais, nós os convidamos a desenvolver sua afetividade com naturalidade e respeito, pautando pelo amor seu comportamento sexual.

3. Dever para consigo próprio. (crescimento saudável e auto desenvolvimento).

Convidamos os jovens a usar progressivamente sua liberdade, a assumir-se com responsabilidade, a aprender a discernir e decidir, enfrentando as consequências de suas decisões e de seus atos. Nós lhes propomos que sejam fortes, mantendo-se firmes em seus objetivos e tendo coragem de ser autênticos, em um claro testemunho de que são e o que dizem ser.

Curiosidades

Baden-Powell criou o Movimento Escoteiro pensando nos rapazes, mas o interesse das meninas foi tanto que, logo em seguida, ele adaptou as atividades em publicações para Guias, como ele as chamou.

Foram Agnes, irmã de B-P, e Olave, esposa do fundador, que criaram o Movimento das Bandeirantes, uma versão feminina do Movimento Escoteiro. Hoje os dois movimentos aceitam meninos e meninas, mas se diferenciam por suas tradições e atividades.

O aperto de mão escoteiro é feito sempre com a mão esquerda, entrelaçando os dedos mínimos. Baden-Powell adotou esse gesto depois de visitar uma tribo guerreira e ser recepcionado com a mão esquerda pelo chefe da tribo. Ele ouviu a explicação de que ali, eles se cumprimentavam assim pois era necessário largar o escudo, sua única defesa, mostrando ao adversário que deposita nele confiança e lealdade. B-P adaptou o cumprimento com os dedos mínimos de forma que as mãos não conseguem largar uma da outra, provando que escoteiros são todos dignos de confiança e estão sempre unidos.

Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na lua, foi escoteiro e, em sua grande aventura levou uma placa de bronze com a Flor de Lis. Ele a deixou na lua.

O Movimento Escoteiro não está presente em apenas seis países: Andorra, China, Cuba, Coreia do Norte, Laos e Myanmar.

O sinal da Promessa, feito com a mão direita com a palma para a frente e o polegar sobre a unha do dedo mínimo, com os outros dedos esticados, simboliza que, mesmo os escoteiros mais distantes estão unidos e que o mais forte deve sempre defender o mais fraco.

O termo “escoteiro” deriva da palavra Scout, que significa batedor ou explorador, em referência ao responsável por abrir e reconhecer um caminho por onde outros de sua expedição ou grupo passariam.

O livro “Scouting for Boys” (Escotismo para Rapazes), de B-P, é um dos 10 livros mais vendidos do mundo, com mais de 150 milhões de cópias.

No Reino Unido, o fundador do Escotismo, Baden-Powell, foi eleito uma das pessoas mais influentes do século 20.


Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens